Sempre muito observador e cuidadoso com as coisas da natureza, o senhor Roberto foi um grande estudioso e conhecedor do mundo da botânica, fazendo muitas amizades e sendo reconhecido por muitos pesquisadores.

O nome Roberto Anselmo Kautsky viajou o mundo todo e conquistou o respeito e admiração do universo acadêmico. Muitas autoridades em botânica fizeram questão de registrar essa admiração.

Fábio de Barros
Chefe da Seção de Orquidário do Estado de São Paulo – Instituto de Botânica (SP)

Meus primeiros contatos com Roberto Anselmo Kautsky datam de março de 1980, ou seja, pouco antes da morte de nosso amigo comum, Sr. Guido Pabst, cujo nome dispensa apresentação. Por que destaco esse fato? Por que ele tem algo a ver com nosso relacionamento posterior. A morte de Pabst abriria uma lacuna que precisava ser fechada encontrando-se alguém que pudesse avaliar as novidades que vinham sendo coletadas por Orquidófilos brasileiros e, se fosse o caso, nomeá-las e descrevê-las. E, como se sabe, Kautsky era um dos mais ativos “descobridores de novidades” em atuação no Brasil.

Ainda em 1980, tive a oportunidade de descrever, junto com o colega Eduardo Catharino, a Scuticaria novaesii, coletada por Kautsky. Posteriormente, publiquei algumas outras notas taxonômicas e uma nova combinação baseadas em material enviado por ele.

O notável nisso é que, apesar de nossa diferença de idade – Roberto Kautsky poderia ser perfeitamente meu pai – eu não consegui acompanhar seu ritmo de coleta e envio de materiais. É claro que isso, em parte, decorre do acúmulo de várias outras obrigações que tenho no Instituto de Botânica, mas serve para ilustrar a capacidade e o pendor especial desse capixaba para descobrir novidades.

Não é qualquer um que pode fazer constar no próprio currículo a descoberta de algo em torno de cem novas táxons! E quem o conhece sabe que isso não reflete em soberba ou empáfia; ao contrario, poucas pessoas que conheci até hoje são tão humildes e generosas. Ele parece ver todo seu trabalho como algo destinado ao engrandecimento da orquidofilia e de seu querido Espírito Santo.

Embora nossos contatos pessoais não sejam tão numerosos quanto eu desejaria – afinal, a distância geográfica entre nós é considerável, propiciando mais a troca de cartas e telefonemas – tenho certeza nele encontro um amigo sempre disposto a colaborar no que se fizer necessário.

Mas vou parando por aqui, pois espero que os leitores  possam apreender ao menos parte disso que estou escrevendo das próprias páginas do livro. Nada melhor do que aquilo que se ouve sem que os outros digam!

Registro no livro “A beleza exótica das orquídeas & bromélias de Roberto A. Kautsky, lançado por Máira Coelho Silva em 1999.

 

ROBERTO ANSELMO KAUTSKY – MEMBRO HONORÁRIO SOCIETY – USA
Autor do artigo: BOB D. WHTMAN – (USA) – Tradução: JOEL VELTEN.

A destruição das florestas no Brasil para uso da agricultura levou Roberto Anselmo Kautsky a preservar uma área de 300.000 m2 de florestas virgens em sua cidade de origem que é Domingos Martins, no Espírito Santo.

Embora a “montanha Kautsky” seja uma pequena área em relação ao grande país que é o Brasil, Roberto Anselmo Kautsky criou um paraíso botânico, onde num espaço de 15 anos colecionou cerca de 100.000 plantas. Para se chegar a “Montanha Kautsky” existe um caminho sinuoso e cheio de cruzamentos. As folhas que caem das arvores não são removidas, exceto aquelas que caem nos caminhos.

Roberto Anselmo Kautsky pode ser considerado um exímio colecionador uma vez que tem explorado as selvas brasileiras a cerca de meio século.

O Sr. Kautsky transferiu a sua indústria de refrigerantes e água mineral para o seu filho, ficando assim com o tempo mais livre para se dedicar com mais amor á flora brasileira. Com o seu afastamento da indústria, foi possível coletar plantas em média duas vezes por semana.

Como colecionador, seu trabalho tem se destacado entre grandes nomes que são familiares: André, Glaziou, Burle-Marx e Foster. Ele apresentou aproximadamente 100 novas plantas para cultivo em Aráceas, Begoniáceas, Bromeliáceas, Cactáceas e Orquidáceas.

Entre as Bromeliáceas que o Sr. Kautsky descobriu incluem-se: Aechméa Kautskyana, Bilbergia Kautskyana, Cryptantus scaposus var. Scaposus, C. Scaposus var. Kautskyanus, Neoregélia kautskyi, N. Liliputianae Tillandsia kautskyi.

A “casa da cultura” de Domingos Martins prestou uma homenagem ao trabalho do Sr. Kautsky, onde existe uma sala a qual exibe todas as pesquisas realizadas e mostra os troféus recebidos por este extraordinário colecionador de plantas.

Em 1986 a “BROMELIAD SOCIETY” prestou uma homenagem de reconhecimento ao Sr. Roberto Anselmo Kautsky, elegendo-o MEMBRO HONORÁRIO.

Obrigado, Sr. Kautsky, pelos seus grandes esforços na preservação e conservação da flora que muitos benefícios trarão as futuras gerações.

                                                                                              BOB D. WHITMAN

Registro no livro “A beleza exótica das orquídeas & bromélias de Roberto A. Kautsky, lançado por Máira Coelho Silva em 1999.

 

Elton M. C. Leme, do Herbarium Bradeanum, escreveu:

“Aceitei fazer esta apresentação convicto de que a mim cumpriria a honrosa tarefa de introduzir Roberto A. Kautsky àqueles que, de alguma forma, admiram as coisas da natureza. Agora, mais consciente da missão, percebo que estava profundamente equivocado. Inútil é apresentar Roberto Kautsky quando o tema é meio ambiente, suas plantas e animais. Todos que já foram introduzidos a esses temas conhecem há muito este homem incomum, sinônimo da natureza.

Como os fenômenos naturais, Roberto Kautsky combina simplicidade e sabedoria, candura e inconfortável firmeza de propósitos. Mais do que compreender racionalmente os caminhos da natureza, Kautsky decodifica seus mistérios através de seus apurados sentimentos.

Por isso, quando Roberto passeia pela mata todos os seus habitantes sorriem. Flores desabrocham, pererecas coacham e os pássaros rompem cantos. O rumor se espalha, multicolorido, anunciando aquele que compreende cada um desses sinais.

Roberto Kautsky simplesmente retribui o aceno dessa multidão de seres, trazendo um a um, apresentando-os à ciência. Assim é mais fácil compreender porque suas descobertas despontam em dezenas. A comunhão de Kautsky com a natureza conduz sua percepção, revelando o inédito, o desconhecido.

A rara habilidade revelada por Roberto Kautsky para trazer da mata seres desconhecidos pela ciência é, de alguma forma, retratada neste livro. Roberto Sempre esteve á frente de seu tempo, adiantando-se à ciência: A todo momento desperta nossa atenção para fatos naturais que normalmente não conseguimos perceber sem sua ajuda.

Viva Kautsky, meu amigo de tantos anos! Todas as homenagens não são suficientes para espelhar sua grandeza. A natureza brasileira, especialmente do Espírito Santo, tem em ti um generoso porta-voz.

Registro no livro “A beleza exótica das orquídeas & bromélias de Roberto A. Kautsky, lançado por Máira Coelho Silva em 1999.